Visualizar:

▼ Postagens (34)
  • Mudança de blog.

    07

    Jan
    07/01/2012 às 23h20

    Bom gente, o sumiço foi por culpa da mudança de blog. Se alguém quiser acompanhar, tá aí o link: http://melancoliaamarela.tumblr.com/

  • Enya - It's In The Rain

    17

    Nov
    17/11/2011 às 15h06
  • Um dia eu cresci...

    17

    Nov
    17/11/2011 às 14h14

    Lúcia... >.<

    Não tenho mais aquele jeitinho mimoso e inocente de olhar o mundo. Não sou mais a princesinha da mamãe, nem a queridinha da vovó. As brincadeiras já não tem mais graça, e o escorregador já não me parece tão alto. Os sapatos da mamãe já servem perfeitamente em meus pés, assim como suas roupas. Mas agora não quero mais ser como ela. Quero ser eu. Por pior que ele me pareça, prefiro esse abismo. É melhor ser o ridículo do ser, do que a falha do não ser.

    Minhas estantes, antes, cheias de brinquedos, hoje deram espaço para pesados e grossos livros. Não vivo mais cercada de sorrisos e pessoas que querem fazer minhas vontades. Chorar virou rotina. Sorrir? Haha, virou lenda. Minhas notas? Nossa... O que é passar de ano direto?!

    Antes, eu ia na escola aprender sobre as cores. Hoje, vou aprender fórmulas químicas e mais uma pancada de conteúdo, do qual eu não decoro 1/10. Antes, eu subia na árvore, jogava bola, brincava com a Bay-blade e as cartinhas do Yu-gi-oh. Hoje, eu enfio a cara nos livros e estudo. Afinal, qual a opção que me resta?

    A menina meiga deu lugar a adolescente confusa e melancólica que hoje sou. Escrevo, tentando me entender. Mas quando eu leio, percebo que realmente me desconheço. 1,48m de pura nostalgia...

    Não me diga quem eu devo ser, pois isso só cabe a mim decidir.

    _Você é sempre assim?

    Sim, eu sou. Melancolia se tornou meu segundo nome. Chame-me do que quiser... Estranha, ridícula, idiota... Não posso moldar tua visão em relação a mim. Aliás, sou excelente em causar péssimas primeiras impressões... Julgam-me pelas primeiras impressões. Bom, você tem todo o direito de ser um idiota. Ninguém disse que não tinha. Mas todo direito vem acompanhado de um dever. Seu dever é não contaminar outros com sua idiotice. '-'

    Um dia eu tentei ser como todo mundo, confesso. Mas descobrir que ser igual a todo mundo, é ser idiota como todo mundo. Somos ensinados a ser medíocres por uma sociedade demente. A vida da maioria das pessoas se resume em consumismo... Se sua vida faz sentido apenas comprando e pisando na cabeça dos outros, você é um ser patético. Digno de pena.

    Hoje você não pode ser ateu, não pode ser religioso, não pode ser negro, não pode ser branco, não gostar de uma coisa, não pode não gostar de uma coisa, não pode ser gay, não pode ser hétero... Você tem que seguir o padrão imposto. É a moda, a tendência. E exatamente por não seguir tendências, sou chamada de imbecil por muita gente. Mas, como todos costumam me dizer: Você é adolescente, mal conhece o mundo lá fora.

    E você? Conhece? Penso que não. Se não, não me diria isso. Bom, isso são apenas pensamentos de uma garota de quatorze anos... Afinal, o que são os adolescentes, não é?

  • Cristão VS Ateu

    13

    Nov
    13/11/2011 às 17h33

    Respeite!
  • Asia kung-fu Generation - Kimi To Iu Hana

    13

    Nov
    13/11/2011 às 14h17
  • Ela era tão solitária... - Estréia dia 13/11/2011

    13

    Nov
    13/11/2011 às 14h12

    Sozinha

    Já parou para pensar porque aquela menina é tão solitária? Não, nunca. Você só vê o que ela mostra. Uma menina silenciosa e anti-social. O silêncio dela pode mostrar muito mais do que seus olhos podem ver...

    Um dia, eu fui protagonista. No outro, o antagonista. Hoje, não passo de uma mera coadjuvante. Minha vida sempre foi uma peça de teatro... Nela havia de tudo, desde os melhores personagens, até as maiores desventuras. Mas o que eu não sabia, é que a vida não é um ensaio geral. Você continua criando suas cenas... Improvisa suas falas, suas ações. Tudo. A diferença, agora, é que minha cena já acabou. Tive que sair do palco... E agora, pessoas tomam o meu papel. Nos camarins, eu me desmonto. Tiro meu figurino - meu sorriso. Tiro minha maquiagem - lágrimas escorrem pelo meu rosto. Arrumo minhas coisas - já é hora de partir. As luzes se apagam, posso ouvir os aplausos. Eles ecoam até onde estou. Posso ouví-los, mesmo sabendo que não são para mim. Nunca foram.

    Qual o papel dos coadjuvantes? Penso que é apenas ocupar cada cena, para que os espectadores não percam o interesse nos protagonistas. A história se desenrola e geralmente o desfecho era aquilo que todos mais queriam. Mas e o meu final feliz, onde foi parar? Fiquei ali, meio a maquiagens e figurinos. Meio as lágrimas e os textos decorados minuciosamente. Fiquei presa ao meu personagem...

    "A vida é uma peça de teatro. Pode ter um texto ruim, atores ruins, um diretor ruim... Mas sempre prende a platéia."

  • Owl City - Fireflies

    02

    Nov
    02/11/2011 às 23h52
  • Perfeição

    02

    Nov
    02/11/2011 às 23h46

    Mudança.

    Perfeição... O que é essa maldita perfeição de que tanto falam? Na minha opinião, perfeição é uma desculpa que inventaram para fugir de ter defeitos.

    Ninguém no mundo é perfeito. A perfeição é imperfeita. Você deve estar me julgando uma louca por dizer isso, mas vou tentar explicar essa minha vã filosofia.

    Na imperfeição, você é capaz de evoluir... Você cresce, melhora, aprende, ensina... A imperfeição impõem defeitos, que em algumas vezes se tornam uma "qualidade" essêncial. Mas pelo menos, no mínimo necessária em nossas vidas. Mas na perfeição, você não evolui mais. A perfeição é um estado congelado e permanente, onde nada se muda, nada se cria, nada se inventa...

    Se algo é perfeito, esse algo seria o robô. E se parar para pensar bem, nem ele é perfeito. Ele não tem sentimentos. Talvez em um futuro próximo, eles sejam capaz de sentir. Mas mesmo assim, continuaram imperfeitos, por que sentimentos são falhos.

    A imperfeição talvez seja algo bom, mas precisa ser medida. Pessoas só são perfeitas, se aceitam sua imperfeição e tentam melhorar. Não mudamos, mas podemos suavizar algumas coisas e acentuar outras. Não acha?

    "Gostamos das pessoas por suas qualidades e a amamos por seus defeitos."

  • Linkin Park - Papercut

    01

    Nov
    01/11/2011 às 15h43
  • Error 404: Feelings can not be found

    01

    Nov
    01/11/2011 às 15h31

    Frieza

    Não sinto amor, nem ódio. Nem alegria, nem tristeza. Não sinto dor, nem prazer. Estou indiferente para com o mundo. Procuro, mas não acho. Sei o que sinto, apesar de não sentir. Escuto, me calo. Entra por um ouvido, sai pelo outro.

    O que, diabos, está havendo comigo? Estou me tornando uma pessoa fria...

    Sentimentos presos em um lugar profundo da sua alma, perdidos. Não dá para saber o que eu sinto, mesmo sabendo o que eu sentiria. É como gostar de um objeto. Você sabe que gosta, mas você não sente. Sinto-me indiferente com palavras e dependendo da coisa, até com algumas atitudes. Pessoas me falam de seus medos... Para com os meus, apenas indiferença.

    É como se toda dor que eu sentia se apagasse, apesar de eu saber que os ferimentos estão ali. Estão abertos, sangrando... As pessoas jogam o sal em cima, mas eu não sinto. Não grito, não faço nada. Mas acabo alimentando minha sede por vingança.

    Lágrimas de sentimentos que eu não sinto... Sentimentos tão artificiais. É como se tudo fosse automático agora. Parece que sou descartável. Sinto-me assim. Sozinha. Vazia. Estranha. Indiferente. Substituível.

    É como se eu visse um circo em chamas depois de uma apresentação. Todos correm para salvar suas vidas, enquanto tudo desaba sob suas cabeças. Tiram os animais, artístas e espectadores... Tiram todos. Fiquei ali, sentada nos bancos do picadeiro, olhando para o nada como se aquilo fizesse parte do show, sem que ele me impressione.

Ver postagens anteriores

Home |  Blog Grátis |  Hospedagem HTML Grátis |  Quem somos |  Parceria |  Anuncie |  Ajuda
Trabalhe no XPG |  Política de Privacidade |  Política de Segurança |  Denúncia © 2004-2017 XPG | Siga esta corrente